Pesquisa em LivreSocial

terça-feira, 4 de março de 2008

Interoperabilidade: Windows 2008

Por estes dias, bastante tem sido comentado do Windows 2008. Eventos em diversos locais, artigos, fotos na internet. Nosso professor de Sistemas Operacionais convidou um especialista da MS para dar sua parcela de contribuição na explicação de detalhes do mesmo, e confesso ter ficado surpreso em muitas novidades.

Tendo visto, com muita propriedade pelo Serginho da Quality, uma visão geral das características do novo SO, fui procurar por isto no site da MS. Depois de muito tempo procurando pelo que interessa, tendo que passar por muito confete, achei a página com mais detalhes objetivos. Dali destaco o seguinte, tentando comparar com a base que conheço (Linux):

  • O RemoteApp para Serviços de Terminal integra completamente as aplicações executadas em um servidor de terminal com as estações de trabalho dos usuários, de modo que as aplicações se comportam como se elas estivessem sendo executadas em um computador local do usuário
    • é impressionante o que podemos ver aqui. Uma evolução do Terminal Server, a ponto de poder criar um atalho na minha máquina que vai se conectar ao servidor remoto, executar uma aplicação XYZ lá, e ver a tela gerada pela aplicação em meu próprio terminal, como se estivesse em execução local. Sempre pudemos fazer isso no falecido XFree86, mas era necessário partir para a linha de comando. Aqui um exemplo relativamente recente de como fazer isso no Linux (13/01/2002). Note que, para um administrador sem muito conhecimento de rede e protocolos (o que não é muito raro), a tarefa é complicada.
  • Network Access Protection (NAP) – Proteção Contra o Acesso à Rede: Uma nova estrutura que permite que um administrador de TI defina os requisitos de “saúde” da rede e para restringir os computadores que não estão de acordo com esses requisitos de se comunicarem com a rede. A NAP aplica as diretivas definidas pelo administrador que descrevem os requisitos de “saúde” para uma determinada organização.
    • Ideal para uma rede organizada, soma para a homogeneização dos vários terminais de rede. Ao entrar na rede, os novos terminais são "analisados" e qualificados. Ainda não sei se esta análise é feita todas as vezes que o terminal entrar na rede e quanta informação trafega entre o servidor NAP e esta estação para que esta avaliação seja feita.
  • Núcleo do Servidor: Desde a versão Beta 2 do Windows Server 2008, os administradores podem optar por instalar o Windows Server somente com os serviços requeridos para desempenhar as funções DHCP, DNS, de servidor de arquivo ou de controlador de domínio. Esta nova opção de instalação não irá instalar as aplicações e os serviços que não sejam essenciais e irá fornecer a funcionalidade base do servidor sem qualquer despesa extra. Ao mesmo tempo em que a opção de instalação do Núcleo do Servidor é um modo totalmente funcional do sistema operacional que suporta uma das funções designadas, ela não inclui a interface gráfica do usuário de servidor. Como as instalações do Núcleo do Servidor incluem somente o que é requerido para as funções designadas, uma instalação do Núcleo do Servidor tipicamente irá requer menos manutenção e atualizações, posto que há menos componentes para gerenciar. Em outras palavras, uma vez que haja menos programas e componentes instalados e sendo executados no servidor, há menos vetores de ataque expostos à rede, resultando em uma superfície de ataque reduzida. Se uma falha ou vulnerabilidade de segurança for descoberta em um componente que não está instalado, não será requerido um patch.
    • Uma versão enxuta do Windows, mas com uma quantidade muito restrita de funcionalidades, ainda que muito importantes. Desde o princípio da interface gráfica em sistemas operacionais Unix e Unix-Like, os servidores preferencialmente não usam interface gráfica. Parte-se do princípio de que se não é necessário, não deve estar instalado. Diferente das versões anteriores do Windows, desnecessariamente pesadas, esta se destaca por seguir o que os Unixes trazem em si desde o princípio de sua história de servidores (ou seja, a mais de 20 anos): a agilidade
  • Windows PowerShell: Um novo shell de linha de comando com mais de 130 ferramentas e uma linguagem de script integrada. Ele permite que os administradores controlem mais facilmente e automatizem com mais segurança as tarefas rotineiras de administração de sistema, especialmente entre múltiplos servidores.
    • Nisto, a MS surpreendeu a muitos. Conheci algumas pessoas que achavam o Linux péssimo por conta da "tela preta". Entretanto, em muitas operações, o mais prático é partir para a "mão". Mas estes que atiravam pedras na CLI (Command Line Interface) o que dirão agora ?
  • Gerenciador do Servidor: Este é um novo recurso que está incluído no Windows Server 2008. Ele é um "one-stop-shop", ou seja, uma parada obrigatória projetada para orientar os administradores de TI no processo completo de instalação, configuração e gerenciamento de funções de servidor e de recursos que são parte do Windows Server 2008. O Gerenciador de Servidor substitui e consolida vários recursos do Microsoft Windows Server 2003, tais como Gerencie seu Servidor, Configure seu Servidor e Adicionar/Remover Componentes do Windows.
    • Excelente ferramenta que agrega as configurações dos serviços comuns do SO. Simplifica a configuração de qualquer serviço, usando uma interface comum. Semelhante ao projeto Webmin, mas não sei se pode ser extendido pela adição de módulos
  • Windows Deployment Services (WDS) – Serviços de Implantação do Windows: Uma versão do Windows Server 2008 atualizada e reprojetada do Remote Installation Services (RIS), o WDS auxilia com a rápida adoção e implantação de sistemas operacionais Windows baseados em rede. O WDS permite a instalação baseada em rede do Windows Vista e Windows Server 2008 para computadores "bare metal" (sem sistema operacional instalado) e até mesmo suporta ambientes mistos, incluindo Microsoft Windows XP e Microsoft Windows Server 2003. Assim, os Serviços de Implantação do Windows fornecem uma solução completa para implantação dos sistemas operacionais Windows em computadores clientes e servidores, reduzem o custo de propriedade (TCO) e a complexidade das implantações do Windows Server 2008 e Windows Vista.
    • Agiliza a instalação do Windows em uma grande quantidade de máquinas, pela rede. Termina com os problemas ocasionais causados por softwares como Ghost, em instalações seqüenciais, e não se limita ao SO, mas depois deste, prossegue instalando outros softwares. Semelhante à instalação em rede via NFS do Linux, mas feito todo a partir do servidor. Se há esta possibilidade, alguém comente, pois não sei como fazer isto no Linux.
  • Os computadores clientes podem monitorar eventos específicos e encaminhá-los ao Windows Server 2008 para gerenciamento centralizado e relatórios.
    • Este é um muito bem vindo recurso, que para o Linux está disponível através de softwares como o gkrellm e seus muitos módulos, permitindo acompanhamento de consumo de disco, temperatura, CPU, etc
  • Os clientes podem reproduzir trabalhos de impressão localmente antes de enviá-los aos servidores de impressão para reduzir a carga sobre o servidor e aumentar sua disponibilidade.
    • Não sei o quanto isto é interessante, pois uma das justificativas de um servidor de impressão é tirar a carga do cliente, e para isto (também) o servidor de impressão tem uma fila. Agora, o peso recai sobre os clientes. Mas posso também ter compreendido incorretamente. Profissionais Windows com a palavra.
  • O novo protocolo Server Message Block 2.0 fornece várias melhorias em comunicação, incluindo maior desempenho ao se conectar com o compartilhamento de arquivos por meio de links de alta latência e melhor segurança através do uso de autenticação mútua e da assinatura de mensagem.
    • Imagino eu que esta modificação não vá alterar em nada o que foi definido no acordo entre MS e a Protocol Freedom Information Foundation. Assim, o stress entre usuários samba não deve ocorrer por conta desta melhoria.
Os textos acima foram tirados do referido site da MS, com os meus comentários. Mas nem tudo é claro. O Dennes anuncia que a Microsoft está investindo no treinamento de profissionais para a migração de PHP para .NET, enquanto Sam Ramji anuncia que o IIS 7 suporta o PHP e que o PHP foi certificado para o Windows 2008 (We set a goal of having PHP certified on Windows Server 2008, and we’ve achieved that).

Isto é contraditório, pelo menos a princípio. Mesmo assim, esperamos que a interoperabilidade anunciada por Ramji traga melhores perspectivas futuras.

Nenhum comentário:

Notícias Linux

Dicas-L: Dicas técnicas de Linux e Software Livre

Ubuntu Dicas

Security Fix

 
Creative Commons License
Blog Livre e Social by Gilberto Martins is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.