Pesquisa em LivreSocial

quarta-feira, 20 de maio de 2009

"Viagem por R$ 1,00": Mais um ataque ao Windows

Desta vez, creio que o estrago vai ser grande.

Como se pode observar, eu estava passeando em diversos sites na net, e vendo meu email, recebi uma notícia que me chamou muito minha atenção: Passagens a R$ 1,00 de volta pela Gol.
Não pensei duas vezes, e abri o link que aparentava apontar para "http://www.voefacil.com.br/Gol/Promoção" mas que na realidade apontava para "http://www.voefacil.tv/Gol/Promo/Form.php". Pelo tipo do arquivo, não me preocupei, pois no Linux este tipo de arquivo não é executável.







Detalhes
O que começou a chamar a atenção foi o link www.voefacil.tv, além de o link conter um nome com acentos, e a GOL ainda não está usando nomes de internet neste formato.
Outro detalhe é que ao abrir, automaticamente o download se inicia, e aqui no meu Ubuntu Linux é demonstrado que se trata de um arquivo executável DOS/Windows, o que acaba com todas as dúvidas. Se é um formulário, não precisa ser baixado.






Instalando

Não satisfeito, o amigo Carlos aceitou a instalação do download em um Windows instalado em um VirtualBox (maravilha!), e teve esta telinha como resultado. Vejam que ele fica com o nome de "Fomulário", com um simpático ícone de uma canetinha sobre uma folha em branco.
Dar um clique duplo nada faz, ao menos aparentemente. Provavelmente, o estrago já está feito. Tentamos remover o ícone de modo normal, mas sem sucesso.
Visualizando os processos em execução, achamos o formulario.exe na relação. Tentamos também o remover, mas sem sucesso. Em uma segunda tentativa, foi possível remover o processo, e aí sim, apagar o ícone do Desktop. Pessoalmente, não posso afirmar que o perigo se foi. Pelo menos para os usuários de Windows.








Conclusão
Foi muito inteligente a escolha da isca ideal, que é promoção, vantagens financeiras e afins. O brasileiro ainda sofre do mal de Gérson, ainda pensa que "de graça, até injeção na testa". E o prejuízo se alastra. De graça.

domingo, 10 de maio de 2009

"Zeus crimeware kit": mais um ataque ao Windows

Em 7 de maio de 2009, Brian Krebs escreveu no Washington Post um texto ao mesmo tempo surpreendente e já conhecido. Já conhecido, por todos sabermos que sem um antivírus instalado, é muito perigoso usar o Windows. De todos os sistemas operacionais atualmente em uso, é de longe o mais frágil a este tipo de problema, independente de quanto esforço o fabricante dedique para mudar esta realidade. Surpreendente, devido as circunstâncias em que este malware foi difundido.

O problema
Este "Zeus" está sendo vendido em um "kit", pelo valor de US$ 700,00 em listas de discussão "especializadas" em crime, e tem o objetivo de colher dados dos usuários atingidos. Uma característica impressionante deste "Zeus" e poder ser diferente a cada instalação, dificultando tremendamente que seja identificado e solucionado pelos anti-vírus. Isto foi descoberto por Roman Hüssy, um suíço de 21 anos, que é um expert em tecnologia da informação.

Não apenas isto, mas "Zeus" tem uma função chamada kos (kill operating system). O manual de "Zeus" (impressionante, vem até com manual) diz que o kos incapacita o sistema Operacional, danificando o registro do Windows. Se o usuário tiver privilégios suficientes, o resultado será a BSOD. Reiniciar este sistema não seria mais possível.

O Prejuízo
Roman Hüssy afirmou que mais de 100.000 sistemas que participavam de uma botnet (é claro, sem o conhecimento de seus proprietários) forma derrubados, a partir do kos. Obteve esta informação acompanhando os servidores atingidos pelo Zeus. O link está na própria página do Washington Post. Dei uma olhada na lista, e achei somente um site brasileiro.

Isto destruiu a botnet, e Roman não tem idéia do que motivou a destruição em massa destes Sistemas Operacionais.

Para um usuário doméstico, normalmente isso não representaria muito problema, pois ele apenas teria que reinstalar o seu Windows, ou outro sistema operacional que esteja menos sujeito a este tipo de problema. Para os que trabalham em seus computadores, tanto Profissionais Liberais como empresas, isto pode causar um terrível prejuízo. Como o objetivo deste Zeus é colher informação, não há como medir a extensão do prejuízo causado.

Comentários
Achei alguns comentários no próprio Washington Post muito interessantes. E para não dizer que estou sendo parcial, ou qualquer outra coisa, vou deixar uma cópia dos originais aqui:
So -- uhhh -- could I bother anyone to explain to me again - just why is it that we still us MICROSOFT products? Oh - never mind. I remember the answer now. You have to be a genius geek to use anything else. I'll try to remember that, and stop harassing those who have to cope with not being genius.

I've seen so many cases of end users neglecting to use a logon password for the purpose of convenience, or not installing any form of software security program simply because they were unaware that the Internet is a dangerous place.

Have to agree with runaway1956 ; why use a demonstrably unsafe OS, web browser, office suite, etc, when products of better quality are available, many for free ? Indolence has its charms, but sometimes it is carried all too far....
Nem preciso dizer qualquer coisa ...

sábado, 2 de maio de 2009

Acesso mais rápido à Internet

\Moro em um local onde o acesso à internet rápida ainda não é uma realidade para a maioria dos (potenciais) usuários. Por isso, preciso de recursos que me proporcionem uma maior velocidade de acesso. Vou mostrar aqui como usar as vantagens oferecidas por uma distribuição Linux, como o Ubuntu.

O cenário atual
Estou usando 3G. Infelizmente aqui no Brasil o funcionamento desta tecnologia é ridículo, pois apresenta grande instabilidade (a conexão cai frequentemente) e velocidade baixíssima. Por contrato, apenas 10% de velocidade é garantida. Assim, pela possibilidade de "estar conectado em qualquer lugar", pago R$ 100,00 por 1 Mega de velocidade, mas apenas algo em torno de 100k me é garantido.

A solução
O melhor é usar um proxy para acelerar o acesso. Segundo a wikipedia, a definição de proxy é "um servidor que atende a requisições repassando os dados a outros servidores. Um usuário (cliente) conecta-se a um servidor proxy, requisitando algum serviço, como um arquivo, conexão, website, ou outro recurso disponível em outro servidor".

Assim, todo acesso à internet vai ser passado para o proxy, e este vai na internet buscar a página. Esta página vai permanecer durante algum tempo na máquina, pois no próximo acesso boa parte da página já estará no sistema. Consequentemente, o browser buscará menos informação na rede, acelerando o acesso.

Estas modificações serão feitas em duas partes: Uma no proxy, e outra no browser.

O Software
Usaremos o Squid, um software extremamente famoso, totalmente gratuito e largamente utilizado para isto. Esta configuração é de complexidade média, exigindo algum conhecimento de edição de arquivos de configuração em Linux. Isto é bom, pois nos leva a aprender um pouco mais.

Instalação do Squid
Como sempre, instalar a maioria dos softwares no Ubuntu é muito fácil. Como é o meu foco, vamos evitar a interface gráfica e dar preferência a CLI. Para facilitar, as linhas abaixo devem ser copiadas e coladas no terminal.

Acesse o terminal e digite as seguintes linhas, informando sua senha quando solicitado:
sudo aptitude update
sudo aptitude install squid
Caso seja cometido algum erro e se queira desfazer tudo para começar do zero, pode ser feito o seguinte:
sudo chattr -i /etc/squid/squid.conf.original
sudo rm
/etc/squid/squid.conf.original
sudo aptitude purge squid
É necessário que o editor vim esteja instalado. Caso não esteja, ou você não tenha esta certeza, digite a seguinte linha:
sudo aptitude install vim

Configuração do Squid

Para isso, vamos fazer uma cópia de segurança do arquivo de configuração do squid:
sudo cp /etc/squid/squid.conf /etc/squid/squid.conf.original
sudo chattr +i /etc/squid/squid.conf.original
Agora, vamos retirar os comentários do arquivo, que apesar de serem bastante úteis e explicativos, atrapalham a leitura do arquivo:
sudo egrep -v "^$|^ *#" \
/etc/squid/squid.conf.original > /etc/squid/squid.conf
Ao escrever este artigo, esta era a minha versão do squid:
sudo dpkg -p squid

Package: squid
Priority: optional
Section: web
Installed-Size: 1748
Maintainer: Ubuntu Core Developers
Architecture: i386
Version: 2.7.STABLE3-4.1ubuntu1
Replaces: squid-novm
Depends: libc6 (>= 2.4), libcomerr2 (>= 1.01), libdb4.7, libkrb53 (>= 1.6.dfsg.2), libldap-2.4-2 (>= 2.4.7), libpam0g (>= 0.99.7.1), netbase, adduser, logrotate (>= 3.5.4-1), squid-common (>= 2.7.STABLE3-4.1ubuntu1), lsb-base (>= 3.2-14), ssl-cert (>= 1.0-11ubuntu1)
Pre-Depends: debconf (>= 1.2.9) | debconf-2.0
Suggests: squidclient, squid-cgi, logcheck-database, resolvconf (>= 0.40), smbclient, winbind
Conflicts: sarg (<<>
Apenas para acrescentar, outra forma de verificar a versão do squid instalado seria:
sudo dpkg -l | grep squid
No meu sistema, o resultado foi o seguinte:
ii squid 2.7.STABLE3-4.1ubuntu1 Internet object cache (WWW proxy cache)
É importante mencionar isto, pois mudando de versão, o arquivo da sua versão pode apresentar diferenças.

Agora, vamos editar o arquivo com as mudanças necessárias:
sudo vim /etc/squid/squid.conf -c ":set number"
No meu arquivo, as modificações foram as seguintes:
...
35 icp_access deny all
36 http_port 127.0.0.1:3128
37 hierarchy_stoplist cgi-bin ?
...
48 extension_methods REPORT MERGE MKACTIVITY CHECKOUT
49 dns_nameservers 200.169.116.23 200.169.116.22
50 hosts_file /etc/hosts
Eu alterei a linha 36, para aumentar a segurança do meu Ubuntu. Também acrescentei a linha 49, com os IPs do DNS do meu provedor. Se você não souber destes endereços (que devem ser obtidos com o seu provedor), você pode consultar os que foram automaticamente configurados no seu Ubuntu.
sudo cat /etc/resolv.conf
No meu sistema, o resultado foi o seguinte:
nameserver 200.255.121.39
nameserver 200.169.117.14
Feitas as modificações acima, precisamos reiniciar o squid. Isto é feito com a linha a seguir:
sudo /etc/init.d/squid reload
Para confirmar que o Squid está completamente funcional, poderemos listar as portas abertas para conexão, entre as quais deve constar a linha do Squid:
sudo netstat -ltnp | grep -i squid
No meu sistema, o resultado foi o seguinte:
tcp 0 0 127.0.0.1:3128 0.0.0.0:* OUÇA 3216/(squid)
Note que o destaque em negrito é o que foi definido na linha 36 do arquivo de configuração.

Configuração do Browser
A modificação no browser, é muito mais tranquila. Para este nosso exemplo, vou usar o Firefox, já presente no Ubuntu.






O primeiro passo é acessar as configurações no Browser. No menu EDITAR, acesse o item Preferências.














Escolha o botão AVANÇADO, logo após a aba REDE, e a seguir o botão CONFIGURAR.
















Escolha os itens marcados na imagem ao lado, e digite as mesmas informações que também estão na imagem












A partir de agora os acessos sempre passarão pelo proxy. No meu caso, estou acessando este proxy no meu (muito antigo) notebook, com um hd (muito) limitado de 20G, e com o seguinte consumo de acesso:
sudo du -sh /var/spool/squid/
32M /var/spool/squid/
É sempre bom controlar a quantidade de espaço consumido pelo cache. Se for necessário eliminar todo o cache, basta digitar o seguinte:
sudo squid -z

Notícias Linux

Dicas-L: Dicas técnicas de Linux e Software Livre

Ubuntu Dicas

Security Fix

 
Creative Commons License
Blog Livre e Social by Gilberto Martins is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.